Jornal Nova Geração

Busca por testes rápidos de Aids/HIV diminui

A terça-feira, dia 1º, marca o Dia Mundial de Luta Contra a Aids/HIV. Em Estrela, o Serviço de Assistência Especializada (SAE), ala da Secretaria Municipal da Saúde, segue realizando os exames rápidos e gratuitos da doença foco e de outras enfermidades como hepatite B e C, sífilis. A distribuição de preservativos e material informativo à população também é realizada na unidade, localizada na Avenida Rio Branco, 1127, junto ao Conselho Estadual de Assistência Social (Ceas).

O SAE Estrela funciona por meio de uma parceria do município com o Governo Federal, atendendo regionalmente pacientes na unidade. Este ano, em razão da pandemia, o SAE não promoveu uma ação pública de prevenção e conscientização, como acontecia desde o ano 2000. Também está atrelada à pandemia a constante queda, por parte da população, na busca de informações, preservativos e dos exames. Contudo, a equipe do SAE reitera a importância da realização dos testes, que são feitos seguindo todos os protocolos de segurança exigidos em razão da Covid. A importância dos exames de triagem por parte de mulheres grávidas é destacada. Segundo o Ministério da Saúde (MS), o Rio Grande do Sul está entre os estados com maior taxa de incidência de Aids do País. E a taxa de detecção de gestantes com HIV e crianças menores de 5 anos vivendo com HIV/Aids está acima da média nacional, em números só superados por outra doença em constante crescimento também entre as gestantes: a Sífilis.

Os testes podem ser realizados diariamente na unidade do SAE, momentaneamente das 7h30min às 12h, e também em todos os postos de saúde do município, por agendamento. Mais informações pelos telefone3981-1137, 3981-1170 ou pelo e-mail saeestrela@estrela.rs.gov.br. O Dia Mundial de Luta Contra a Aids foi uma decisão da Assembleia Mundial de Saúde, em outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas ONU. A data 1º de dezembro serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/Aids. A escolha seguiu critérios próprios das Nações Unidas. No Brasil, a data passou a ser adotada, a partir de 1988, por uma portaria assinada pelo Ministério da Saúde.

Compartilhar conteúdo

PUBLICIDADE

Sugestão de pauta

Tem alguma informação que pode virar notícia no Jornal Nova Geração? Envie pra gente.

Leia mais: